terça-feira, 31 de dezembro de 2013

"Do que nunca nos falam é da questão de fundo, daquilo por que estão a ser mortos e feridos tantos moçambicanos:..."

 

Ouvir com webReader


MARCO DO CORREIO por Machado da Graça
Olá Macuácua
Como estás tu a passar as festas, meu amigo?
Do meu lado está tudo normal, felizmente.
Só que com uma grande tristeza com a continuação dos actos de guerra na região Centro do país.
Acabei de ler a informação de que houve mais combates entre homens da Renamo e das forças governamentais, com numerosos mortos e feridos.
Pela primeira vez em 21 anos passamos o período das festas aos tiros uns aos outros. Maldita situação esta para a qual nos empurraram e da qual não sabem, ou não querem, tirar-nos.
Quando nos vêm falar das razões do impasse, o paleio é sempre sobre os aspectos técnicos das negociações: se haverá mediadores ou não, para que servem os observadores, se só estarão na sala moçambicanos ou também estrangeiros e coisas do mesmo tipo.
Do que nunca nos falam é da questão de fundo, daquilo por que estão a ser mortos e feridos tantos moçambicanos: a necessidade de revisão da Lei Eleitoral para evitar situações vergonhosas como aquelas a que assistimos nas recentes eleições autárquicas.
A questão de fundo é acabar com o completo domínio dos órgãos da administração eleitoral por um dos concorrentes, o partido Frelimo.
Os moçambicanos estão a ser mortos para que os delegados da oposição, nas mesas de voto, possam continuar a ser detidos, em grandes quantidades, quando chega o momento da contagem dos votos; para que a FIR continue a ser usada como tropa de choque do partido no poder para intimidar e desorganizar a oposição; para que a vitória de uns se transforme na vitória de outros nas estranhas recontagens de votos feitas à porta fechada.
É por isso que as negociações não avançam. Para que quem a tem não perca esta vantagem, fundamental para garantir vitórias eleitorais.
E como, em 2014, vamos ter eleições presidenciais, legislativas e provinciais, estou muito pessimista de que as negociações avancem até lá.
O que, muito provavelmente, vai significar mais luto em muitas famílias moçambicanas.
Um abraço para ti do
Machado da Graça
CORREIO DA MANHÃ  – 31.12.2013

Comments

1
Khalil Gibran said in reply to Matolinha...
O que descreve não é uma solução, mas um cenário. A solução é o caminho para chegar ao cenário.
A solução que a Renamo preconiza é derrotar militarmente a Frelimo e tomar o poder em todo o País, não apenas uma parte.
Sabe-se que a Renamo reactivou as suas bases na região sul, incluindo a Província de Maputo. Isto significa que é o povo do sul a lutar contra a Frelimo. Não se pode, portanto, declarar a separação de partes do País, porque todas as regiões se unem por um único objectivo, que é expulsar a Frelimo do poder.
Uma vez atingido este primeiro objectivo, a Renamo cria um governo de unidade nacional onde estão representadas as principais forças políticas. A missão do governo será a preparação de eleições gerais, que serão as primeiras eleições livres, justas e transparentes. O resto vem depois.
Aliás devo dizer que esta não é a minha ideia pessoal, nem posso ser elogiado por tanta inteligência. Este é o programa oficial da Renamo, que tem como base o documento que contém as suas exigências nas negociações com a Frelimo.
2
Matolinha said in reply to Matolinha...
Sintonia?
Matolinha.
3
Matolinha said...
Ocasionalmente, Machado da Graça, dá a impressão de estar a começar a ver a "Luz", o problema é que depois, os olhos se vão "fechando" e, consequência disso, a "Luz" de desvanece até se apagar por completo. É como se vivesse numa espécie de sono que interrompe de vez em quando.
Desta carta retive o seguinte:
“Maldita situação esta para a qual nos empurraram e da qual não sabem, ou não querem, tirar-nos.”
“: a necessidade de revisão da Lei Eleitoral para evitar situações vergonhosas como aquelas a que assistimos nas recentes eleições autárquicas.”
“A questão de fundo é acabar com o completo domínio dos órgãos da administração eleitoral por um dos concorrentes, o partido Frelimo.”
“Os moçambicanos estão a ser mortos para que os delegados da oposição, nas mesas de voto, possam continuar a ser detidos, em grandes quantidades, quando chega o momento da contagem dos votos; para que a FIR continue a ser usada como tropa de choque do partido no poder para intimidar e desorganizar a oposição; para que a vitória de uns se transforme na vitória de outros nas estranhas recontagens de votos feitas à porta fechada.”
“É por isso que as negociações não avançam. Para que quem a tem não perca esta vantagem, fundamental para garantir vitórias eleitorais.”
- Depois os olhos começaram a fechar de novo.
Volto a repetir as vezes que forem necessárias:
--------------------------------------------------------
O problema é a Frelimo, a sua insistência em perpetuar-se (até se transformou em “partido politico”) muito para além do que seria razoável.
O assunto que devia estar em cima da mesa é a extinção de Frelimo (já basta), com isso a Renamo deixa também de ter motivos para existir.
Temos de Começar de Novo.
Até a bandeira tem de ser nova e deve representar Moçambique e todos os moçambicanos. Sim, eu disse todos os moçambicanos.
“Eles” não podem, entre “eles”, continuar a decidir e mandar no que é nosso. Isso só poderá acontecer quando os partidos nascerem do povo, quando as eleições forem absolutamente livres e justas quando passarmos a ser uma verdadeira Democracia.
As Forças Armadas não podem em momento algum tornar-se no braço armado seja de que partido for.
Matolinha.

P.S. Aceitam-se, de bom grado, soluções melhores que esta(s).
4
Umbhalane said...
Claríssimo e assertivo.
Acertou em cheio no alvo, na "mouche".
Foi ao centro central do problema, ao seu cerne, ao seu âmago, ao centro do mais íntimo do PROBLEMA.
Claramente escreveu qual é – sem rodeios, sem manobras, sem canganhiças.
Até eu mesmo, desta vez, compreendo Machado da Graça – desta vez consigo ler e interpretar bem o que escreve.
Agora, desta vez, tiro o meu capacete colonial a Machado da Graça.
É de jornalista, de opinador.
Está tudo, quase tudo, claramente escrito.
Mas é muito bom beber devagar as palavras, as frases, o seus entido.
Sorver lentamente com inebriante prazer, até com erotismo, com supremo êxtase!
“A questão de fundo é acabar com o completo domínio dos órgãos da administração eleitoral por um dos concorrentes, o partido Frelimo.”
A questão de fundo – poder único, incontestável, da FIRlimo.
E para isso, para se manter, para atingir, continuar a atingir esses objectivos a FIRlimo faz:
“Os moçambicanos estão a ser mortos
para que os delegados da oposição, nas mesas de voto, possam continuar a ser detidos, em grandes quantidades, quando chega o momento da contagem dos votos;
para que a FIR continue a ser usada como tropa de choque do partido no poder para intimidar e desorganizar a oposição;
para que a vitória de uns se transforme na vitória de outros nas estranhas recontagens de votos feitas à porta fechada.”
Entre várias, muitas outras manobras deles, estas são referidas.
Para isso há que arranjar maneira:

“É por isso que as negociações não avançam.
Para que quem a tem não perca esta vantagem, fundamental para garantir vitórias eleitorais.”

Machado da Graça conclui BEM, e já avisa a “navegação”, avisa TODOS os interessados.
Eles, a FIRlimo, vão arrastar a situação para “agarrarem” o tal de PODER por mais 4 a 5 anos a partir de 2014 – com “eleições livres, justas e transparentes”, e que vão decorrer com toda a “normalidade, ordeiramente e máxima tranquilidade”.
Os “brancos” já fizeram o carimbo, a tinta, e até vão fornecer os assessores para que quase tudo corra “mais melhor”.
Mas, porém, todavia, contudo,…há sempre um mas, um porém.
A RENAMO.
O POVO MOÇAMBICANO.
“A FIRlimo não vai conseguir exterminar, assassinar 20 milhões de Moçamcicanos”
(Dr. Domingos Arouca – Grande Patriota e Nacionalista)
Obrigado Machado da Graça.

Takhuta maningi imwe mwensene - Muito obrigado a todos vós
Ife tensene ndinadzmanga FIRlimo – Nós todos vamos correr com a FIRlimo.

Na luta do povo ninguém se cansa.

E sempre a dizer sem cansar,
Fungula masso iué (abram os olhos).

A LUTA É CONTÍNUA
5
Noe Nhantumbo said...
Opiniao acertada da qual partilho. Quem nao quer jogar limpo esta perigando a vida de milhoes de pessoas. O grupo acambarcador instalado no poder de maneira fraudulenta quer continuar vorazmente abocanhando Mocambique.

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Quatro mortos em confrontos entre exército e homens armados no centro de Moçambique

 

Ouvir com webReader


Quatro pessoas morreram em confrontos durante três dias entre o exército e homens armados, suspeitos de estarem ligados à Renamo, no distrito de Gorongosa, Sofala, centro de Moçambique, disseram hoje à Lusa fontes locais.
Os confrontos registaram-se perto da vila de Tambarara, tendo uma pessoa perdido a vida, e no bairro Nhambondo, nos arredores da Gorongosa, onde foi morto um comerciante local, que teve os seus bens saqueados. Em Nhatsapa e Tazoronda, outras duas pessoas morreram atingidas por projéteis.
"No sábado foi assassinado um comerciante no bairro Nhambondo, depois de um idoso de 65 anos ter sido atingido na machamba (quinta) durante um ataque a uma coluna militar em Mucodza. Em duas semanas somam quatro civis mortos", precisou Paulo Majacunene, administrador de Gorongosa.
LUSA – 30.12.2013

Membros da Frelimo aumentaram para 4.028.963 em 2013, cerca de 16,6% da população moçambicana

 

Dos 250.558 novos membros, 2.303 são dissidentes de outros partidos.
Secretário-geral da Frelimo faz balanço positivo de 2013 e fala de desafios para 2014.
Filipe Paúnde considera que o partido atingiu os objectivos traçados para as quartas eleições autárquicas, ao vencer em 50 municípios. Paúnde reconhece, porém, a derrota do partido e dos respectivos candidatos nas autarquias da Beira, Quelimane e Nampula, principais cidades do centro e norte do país. Segundo Paúnde, nas três autarquias onde a Frelimo perdeu os seus candidatos reconheceram a derrota e felicitaram os candidatos vencedores. “Com a excepção do candidato de Pemba ( António Macanige, do MDM), que reconheceu a derrota e saudou o vencedor, a nossa oposição em nenhum momento saudou os nossos candidatos vitoriosos”, lamentou, afirmando que essa postura não dignifica a democracia.
Na conferência de imprensa sobre o balanço das actividades do partido em 2013, Paúnde deixou um recado ao presidente da Renamo, Afonso Dhlakama: “A guerra não contribui em nada, antes pelo contrário, ela destrói vidas humanas, que é o bem precioso que um país pode ter”.
Para o secretário-geral do partido no poder, o governo acomodou todas as exigências da Renamo que não chocavam com a Constituição. Porém, lamenta, a Renamo não fez nenhuma cedência, desde que as conversações iniciaram no primeiro semestre deste ano. Como desafios para 2014, Paúnde destaca a realização da III sessão ordinária do comité central da Frelimo, onde será eleito o candidato do partido a presidente da República.
O PAÍS – 30.12.2013

Paúnde diz que não há espaço para mais candidatos

Nervosismo na Frelimo

Desde que a Comissão Política do partido Frelimo anunciou os nomes de Alberto Vaquina, José Pacheco e Filipe Nyusi, como pré-candidatos a candidatos da Frelimo para eleições presidenciais, surgiram vários debates dentro e fora da Frelimo, principalmente sobre o fraco capital político dos três pré-candidatos considerados “delfins” de Guebuza. Fala-se inclusive de manipulação (fraude) dos resultados finais que culminaram com a indicação dos três pré-candidatos, com vista a garantir a perpetuação da ala Armando Guebuza, numa altura em que eram também apontados os nomes de Luísa Diogo, Eneias Comiche e Eduardo Mulémbwè, como presidenciáveis.
Com a indicação dos três pré-candidatos tidos como “fracos”, o nervosismo interno dentro da Frelimo é indisfarçável, prevendo-se um Comité Central muito turbulento.
É nesse contexto de contenção do nervosismo que o secretário-geral da Frelimo, Filipe Paúnde, convocou a Imprensa na última sexta-feira para reiterar o que já havia dito em ocasiões anteriores. Ou seja, que “cabe à Comissão Política apresentar os pré-candidatos”, em resposta a um questionamento que tem vindo a ser levantado sobre a legitimidade da Comissão Política de escolher os pré-candidatos.
Com estas declarações o SG “veda” a possibilidade de entrada na corrida de mais nomes para candidato da Frelimo nas eleições do próximo ano.
Paúnde disse que não há qualquer arranjo que se faça, o que significa que somente os três nomes serão escrutinados na III Sessão Ordinária do Comité Central a decorrer de 27 de Fevereiro a 2 de Março de 2014.
Paúnde desdobra-se em elogios a Vaquina, Pacheco e Nyusi
Não ocasião, revelando-se apoiante dos pré-candidatos, Paúnde dedicou parte considerável da sua intervenção tecendo rasgados elogios aos mesmos, falando dos seus feitos.
Paúnde disse que não existem “no País e no Mundo” pessoas que reúnem consenso para defender o seu apoio a Vaquina, Pacheco e Nyusi,   “todas as pessoas têm virtudes e defeitos.”
Fala de tudo de bom que os pré-candidatos fizeram, sem no entanto mencionar os seus “pecados.”
Presidente aglutinador, dinâmico e experiente…
Segundo Paúnde, a Frelimo procura “um presidente aglutinador, dinâmico, experiente, capaz de dar continuidade ao desenvolvimento.”
Sabe-se, porém, que as três figuras são as preferidas do chefe de Estado e que não reúnem consenso no seio da Frelimo e da própria Comissão Política. A selecção dos pré-candidatos foi feita de forma pouco clara com a informação de ter havido manipulação dos votos da Comissão Política, com Filipe Paúnde a ser apontado como a pessoa que teve os verdadeiros resultados.
(Redacção/André Mulungo)
CANALMOZ – 30.12.2013

Comments

1
livre pensador said...
De novo muitos indignados "anti-3/100" da FRELIMO...
Confesso que ja nao sei. Mas qual e dificuldade em se assumirem estes opinadores contra a FRELIMO? Se for verdade que Paunde nao representa a vontade do eleitorado interno da FRELIMO, entao, pela logica, um CC extraordinario poderia destitui-lo! Lembremo-nos do que sucedeu a Uriah Simango em 1968.
Mas, se nao for o caso, entao uma parte da FRELIMO, presume-se uma minoria, nao deseja acatar o que Paunde diz, logo que va formar o seu partido. Ou entao, que venha a terreiro fazer uma declaracao de voto antecipada no candidato de sua preferencia. E ponto final!
Agora, andarem por aqui a dancar como caranguejos, a falar de Manuel Alegre, nem para frente, nem para tras, como se o estar em politica se coadunasse com milagres divinos, com improvaveis cataclismos humanos, por exemplo o simples passamento fisico de Guebuza ou Paunde, isso nao lembra o diabo.
E sobretudo, alerta-nos, a todos que como eu ja estao suficientemente ESCALDADOS com fenomenos tipo " Dr. Jorge Arroz" a nao embarcar em profissoes de FE vindas da "tutela bitolada" do Partidao.
Porque candidato. Ou candidatos fora da "entourage" da FRELIMO ha pelo menos tres. Dhlakama. Simango. Ou Araujo. Ou se acredita neles, ou nao se acredita.
Se mesmo assim, a insatisfacao persistir. Votem em Branco, Nulo. Ou fiquem em casa. Mas...
Decidam-se de vez!
Ao inves de nos levarem sempre para as traseiras do Comite Central da FRELIMO...
2
Umbhalane said...
Isto não é importante – isto é “business” deles.
Desconsideramos, não estamos nem aí..
É só para nos distrair.
É irrelevante, não interessa para NADA.
Nós só estamos atentos, empenhados, concentrados na Luta do Povo, na Luta da RENAMO, nossa União armada do Povo para Libertar a Pátria.
A nossa Luta contra o INIMIGO, a FIRlimo, é que é importante.
Marrabenta, dumba-nengue, canganhiças, rombos, fraudes, extorsões, deixa-andar, deixa-parar, anda-para-trás,..., tchova-tchova, esses negócios são deles.
Nós, a maior maioria do Povo Moçambicano, só estamos de pensar com atenção - como vamos AJUDAR a RENAMO, e os seus Heróicos Combatentes?
Essa é a nossa necessidade, a nossa missão Patriótica - combater a ditadura totalitária, combater o INIMIGO - a FIRlimo.
Ajudar a RENAMO – há muitas maneiras.
Essa é já a nossa única mabassa política, sociopolítica.
Como ajudar a RENAMO a acabar com as carraças que nos chupam o sangue, nos parasitam, nos exploram sem trabalharem, só à nossa custa.
OBJECTIVO – esse é o único e legítimo objectivo sociopolítico de cada um de nós.
INIMIGO – já está definido concretamente – a FIRlimo.
BOM TRABALHO.
Fungulani pyadidi maso muwone – Abram bem os olhos para verem (bem).
Takhuta maningi imwe mwensene - Muito obrigado a todos vós
Ife tensene ndinadzmanga FIRlimo – Nós todos vamos correr com a FIRlimo.
Na luta do povo ninguém se cansa.

E sempre a dizer sem cansar,
Fungula masso iué (abram os olhos).

A LUTA É CONTÍNUA
3
XATEADO said...
O caldo já está entornado na FIRLIMO!~
Até já "enchem" votos na comissão política!Eishhh!
Vão-se "extrepar"!
Só resta IMPLOSÃO!
e já começou...os "machelistas" DEFENDEM-SE!
É ou não é?
E os "Chissanistas"?
E perguntando de mansinho...
Quem será o Presidente da Firlimo?
Resposta lógica- O Primeiro Ministro (se ganharem eleições- a encherem votos TALVEZ)!
E quem será esse PM?AEG no Modelo Putin!
então , vamos ter a Valentina , mais milionária!
e mais não digo!
Fungula masso iué!
4
Kodjaiwamue said...
Fraude vicia. Estes tipos qualquer dia vao engendrar fraudes nas suas propiás famílias, se e que já não fazem

Incidentes em Mucodza(Gorongosa) em 28.12.2013

 

Ouvir com webReader
CIDADÃO Unay REPORTA

Guerrilheiros da Renamo emboscaram neste sábado (28) por volta das 7 horas unidades das FADM em Mucodza, a cerca de 7km da vila de Gorongosa, 23 km de Satunjira.
As forças governamentais sofreram pelo menos 29 baixas fatais e 15 feridos.
Os militares das FADM fugiram abandonando algum armamento.

In https://www.facebook.com/JornalVerdade?fref=ts
NOTA:
Até quando?
Fernando Gil
MACUA DE MOÇAMBIQUE

Comments

1
Matolinha said in reply to Khalil Gibran...
Respondendo à sua questão, eu diria assim:
Depende.
Por exemplo, se todos os militares das FADM ou a sua grande maioria se solidarizasse com o seu povo, ou seja, com os seus pais, irmãos, avós, primos, sobrinhos, cunhados, namoradas, com os meninos e as meninas que não têm o que comer nem como estudar, com os vizinhos, os rinocerontes, os elefantes, as árvores exóticas e não exóticas; se esses tais militares “puxarem o tapete” à Frelimo, aí sim tudo será bem mais “fácil”, mais pacífico e então seria o adeus às “eleições” “monárquicas”.
Mas com franqueza, não os estou a ver passarem para o lado dos que sofrem. Infelizmente parece que para esses, contam outros “Valore$”.
Enfim, não me parece que nada disso venha a acontecer.
Matolinha.
P.S. Engraçado, não tenho visto os pacifistas apontar o dedo aos que só fazem mal ao povo. A Frelimo. Porque será?
2
Khalil Gibran said in reply to Matolinha...
Há mais informações informais sobre a guerra. Parece que a Renamo já está a sul do Save. Os desertores das FADM estão a ser pagos pela Renamo 2000 meticais e indicação do caminho para a sua segurança a troco de deixarem as armas e fardamento. Situação em Gorongoza e Maringué crítica para a Frelimo, segundo as fontes.
Claramente os órgãos de comunicação social estão proibidos de publicar estas informações, ou desinformações, dependendo do lado que se esteja.
Mas questiono: Vai haver "monárquicas" próximo ano?
3
Matolinha said in reply to mzillikaze...
Tanta “ingenuidade” Senhor mzillikaze.
Disse não quer que morram inocentes. Eu também não. Por mim, numa guerra, só morreriam os “não inocentes” e nesse caso o senhor salvava-se concerteza.
Mas como as coisas não são como nós queremos, aconselho-o a ter muito cuidado pelos caminhos por onde anda, principalmente em tempo de “eleições/guerra”.
Disse também:
"...trabalhar duro para que um dia tenhamos paz e tranquilidade neste lindo pais."
-Bonito. E "trabalhar duro" quer dizer o quê?
Lutar ou deixar-se matar? - Não percebi.
Deu-se ao trabalho de contar quantos morreram e quem os matou durante as últimas "eleições"?
Se nas “eleições” autárquicas foi assim, imagine como será nas próximas, nas "monárquicas".
Desejo-lhe muita Saúde e Sorte também.
Matolinha.
4
Mario Paulo Mutucua said...
Aqui na Maxixe onde vivo passam pessoas vindos de Muxungue na dita coluna que de verdade nada tem haver com coluna, dizem que diariamente ha ataque de coluna e morre se. Onde andam os meios de comunicacao? foram proinidos de reportar?
5
Kodjaiwamue said in reply to mzillikaze...
O azar e que os que tem o poder de evitar as mortes são os que mais saem a ganhar com elas. E agora, o que se faz?
Entendo que quando se fala de justeza não seja no que se refere as mortes e que existe uma causa por ser defendida e a única via que resta e a luta armada, querem assim os donos do mundo companheiro.
Qualquer um lutaria com os meios que tem para não morrer
6
Kodjaiwamue said in reply to Paz...
Ainda esta para nascer, talvez daqui há 1000 anos, o líder que vai ter a inteligência e a capacidade de impedir que a guerra seja um instrumento do poder.
Com Jesus Cristo teve guerra, com Hitler teve guerra, com Constantino teve Guerra, com Mandela teve guerra, Com Mondlane, Samora, Kadafi, Washinton, e tantos e tantos tiveram que recorrer a guerra.
A guerra e um legado da humanidade, e havendo guerra que se testam os pensamentos de paz.
Pode não haver paz sem guerra.
Se quisermos ser mais modestos diríamos que a guerra de hoje em Moçambique começou pela luta a ocupação dos Ngunis, esta criou condições para a guerra de resistência a colonização depois a guerra pela independência que abriu caminho para a guerra pela democratização do pais desde 1976 ate data hoje lutando pela PAZ, LIBERDADE, CONCORDIA, HUMANIZACAO.
Foram os colonos Brancos mas ficaram colonos negros também devem sair.
7
mzillikaze said...
OH umbhalane, nao existe nenhuma luta justa onde os inocentes morrem por ganancia dos outros, nao aceito o termo "colateral demages", se for possivel evitar essa matanca. Portanto, nao se deve incentivar a morte de qualquer que seja o ser humano, mas sim trabalhar duro para que um dia tenhamos paz e tranquilidade neste lindo pais.
8
Ninguém said...
Quem é que se lembra da leitura: A EXPERTEZA DO SALOE?, do Livro de Leitura da segunda-classe do Tempo colonial em MoÇambique.
Dois gatos que roubaram queijo e foram entreguar ao Macaco (Dr. Saloe ) para o repartir em dois pedaços exactos iguais. e ele cortou-o em dois pedaços pondo cada pedaço num dos lados da balança, e o lado que pesá-se há mais, ele ia cortando e metia na sua boca até que o queijo assim acabou. Os dois gatos perderam o queijo o Macaco se apoderou da desputa dos dois.
Isto è: O povo moçambicano está a sofrer da desputa dos dois belcistas. E o juíz final dessas desputas será nas Urnas eletorais. Créio que os dois saiam vazíos em votos, e um terceiro se aponderará dessas desputas.
ABAIXA O DERRAMAMENTO DE SANGUE !!
VIVA A VIDA !! VIVA A PÁZ
9
mutantesleo said...
guerra justa: e preciso desalojar os inimigos do povo. os unicos que se esqueceram da sua reponsabilidade moral sao os infiltrados, mercenarios, corruptos, pais da anarquia, guias do povo, os iluminados, omnipresentes, libertadores, herois da "FIRILIMO".
o povo mocambicano ja se cansou desses homens que perderam a NOCAO DA ETICA. homens que respeitam somente uma unica lei "A LEI DA BALA" ou por outra " a LEI DE ESPORA E BOTA".
viva a guerra justa
abixo a firilimo.
10
Umbhalane said...
“A guerra é a continuação da política por outros meios”.
Carl von Clausewitz
A guerra do Povo Moçambicano/RENAMO é JUSTA, e mais melhor ainda - LEGÍTIMA.

Só para lembrar - a guerra é como a dança (o tango) - são precisos, necessários, 2 (dois) para se dançar/guerrear.
A FIRlimo PROVOCOU/convidou a "Dama", e esta não teve jeito maneira.

São precisos pelo menos 2.

Estou sentado à espera de soluções/contribuições positivas e exequíveis.
Retórica "retorizada" estamos cansados - bula-bula, canganhiça, mãos cheias de NADA, nem vento têm,..., já chega.
Já esperamos demais, culpa de Dhlakama, já.
Burrou demais - a barriga começou de ficar grande.
É bom estar nas bases, junto do nosso Povo.
O nosso Povo já está contente.
O nosso Líder está junto, no mais melhor bom caminho.
O INIMIGO É A FIRlimo.
Ife tensene ndinadzmanga FIRlimo – Nós todos vamos correr com a FIRlimo.

Na luta do povo ninguém se cansa.

E sempre a dizer sem cansar,
Fungula masso iué (abram os olhos).

A LUTA É CONTÍNUA
11
Matolinha said in reply to Paz...
Diga Senhor PAZ, se alguém lhe declarar guerra, que reacção será a sua?
Teste de Escolha Múltipla.
Soluções:
-Faz de conta que não é nada consigo.
-Leva porrada enquanto assobia para o lado.
-Resiste como poder e enquanto poder.
-Se a solução for outra, diga (escreva) qual. ___________________________________________________________________________________________________________________________________________.
Outra coisinha, a Frelimo e a Renamo, não são e não conseguirão ser partidos políticos NUNCA.
Não me diga que ainda não tinha reparado nisso.
Os partidos políticos ainda estão para nascer em Moçambique. Que me lembre os partidos políticos foram todos mortos à nascença, pela Frelimo, lá atrás no tempo. Não se iluda, não se deixe enganar.
Infelizmente há muita gente a “comer”, sem questionar, tudo o que lhes derem. Cuidado! Pode estar estragado.
Matolinha.
P.S. Se por um acaso, alguém lhe disser que vivemos em democracia, coloque a sua mão na testa dessa pessoa e rapidamente perceberá que a febre rondará os 39,5 Graus. No mínimo.
Esses só podem estar muito doentes.

12
Paz said...
Todas as formas de violência, especialmente a guerra, são totalmente inaceitáveis ​​como meio de resolver disputas ou opiniões diferentes entre partidos políticos, grupos e pessoas. A guerra é apenas uma fuga covarde dos problemas da PAZ.
Por isso, hoje o verdadeiro teste de liderança e inteligência não é a capacidade de fazer e celebrar a guerra, mas sim a capacidade de impedi-lo.
13
Umbhalane said in reply to Ninguém...
Então resolve.
Fico de te esperar, não tenho qualquer problema.
Coisas práticas, soluções concretas, viáveis, exequíveis, algo que o PovoMoçambicano/RENAMO, seu Braço Armado Legítimo possam aceitar.
Está FORA de quaisquer questões a "capitulação", "rendição", e muito menos o "desarmamento" da RENAMO - é mais melhor morrer combatendo.
Até porque nem temos NADA para perder.
E ser escravo da FIRlimo já não é vida.
Morrer não é castigo.
Ife tensene ndinadzmanga FIRlimo – Nós todos vamos correr com a FIRlimo.

Na luta do povo ninguém se cansa.

E sempre a dizer sem cansar,
Fungula masso iué (abram os olhos).

A LUTA É CONTÍNUA
14
Ninguém said...
Como é possivel pessoas censatas académicos com uma inteligencia em cima de 100% APLAUDIREM MORTES HOMANAS ???
Os derigentes das guerras pouco se importam com os números dos mortos, mas sim pelas vitórias e derotas no fim da guerra.
guerrilheiros da renamo sao mocambicanos sodadinhos do governo sao mocambicanos.isto é: menos mocambicanos em vida. creio eu que no ano 2013 morreram mais mocambicanos por baleiamentos que por SIDA HIV. Isto seria 100% ivitável mas o SIDA HIV nao.
Pois fim da guerra Mocambique terá que recorrer a recrutamentos de extrangeiros( nao qualificada ) para compensar á mao de obra elaboral no sector industrial. porque perdeomos muito tempo a nos deminuir que ha nos qulificar.
15
Francisco Moises said in reply to Umbhalane...
Se verdade, isto é duro para o companheiro Guebueza. Dai que agora "quer negociar" depois de arrogamente ter recusado faze-lo. Em verdade e verdade eu vo-lo digo que quem mata pela espada pela espada perece.
16
Umbhalane said...
Caros Companheiros, Heróicos Combatentes da RENAMO, Braço Armado do Povo Moçambicano.
As minhas melhores saudações.
Estamos sempre juntos.
Sempre.
BOM TRABALHO.
BOA CONTINUAÇÃO.
Esta guerra que nos foi imposta, começada, atacada pelo INIMIGO, a FIRlimo,
para TODOS NÓS é uma guerra JUSTA.
Estamos de ser mortos, assassinados, já de morte matada, morrida, de quaisquer jeito maneiras.
A NOSSA GUERRA É JUSTA.
Estamos já de defender o nosso Povo, os nossos recursos que estão e continuam de ser comidos sozinhos por esses outros, estamos de defender as nossas terras, terras que os nossos antepassados nos deixaram.
Não tem mas, mas, mas,...porém, porém, porém,...
A NOSSA GUERRA É JUSTA - temos direito, legitimidade.
Só, mais nada - não lhes precisamos de bula-buliquice.
Temos que fazer um bom trabalho nos campos de guerra, estar muito vigilantes para ver o que os nossos Líderes já vão fazer, lá onde estão de conversar.
Temos que EXIGIR mais melhor dos nossos Líderes - ficar muito vigilantes.
Quanto mais grande for a nossa força no terreno, quanto mais porrada conseguirmos lhes bater fortemente, mais mole o INIMIGO vai ficar.
Vão aceitar mais melhor as nossas justezas.
Se continuarem de ser burros, já vamos ter que chegar a MAPUTO.
Guerra é guerra.
Morrer não é castigo.
Castigo é ser escravo, viver sempre como escravo desses, desde que nascemos!!!
PODE????
Boa continuação.
Takhuta maningi imwe mwensene - Muito obrigado a todos vós.
Abraços e cumprimentos Patrióticos.

Ife tensene ndinadzmanga FIRlimo – Nós todos vamos correr com a FIRlimo.

Na luta do povo ninguém se cansa.

E sempre a dizer sem cansar,
Fungula masso iué (abram os olhos).

A LUTA É CONTÍNUA

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.