domingo, 30 de abril de 2017

Muntari abandona campo após cânticos racistas


Médio do Pescara deixou equipa, que confirmou a descida de divião, apenas com dez jogadores em campo.
Muntari, aqui numa foto de 2014, quando estava ao serviço da selecção nacional do seu país
Foto
Muntari, aqui numa foto de 2014, quando estava ao serviço da selecção nacional do seu país REUTERS/WOLFGANG RATTAY
O médio ganês Sulley Muntari, que joga no Pescara de Itália, abandonou o campo antes do final da partida contra o Cagliari, da 34.ª jornada da liga italiana de futebol, em protesto por cânticos de teor racista entoados nas bancadas.
Após solicitar, sem sucesso, à equipa de arbitragem a interrupção da partida aos 90 minutos, Muntari tomou a iniciativa de abandonar o relvado, deixando o Pescara com menos um jogador.
"Muntari ouviu insultos racistas e solicitou que alguém interviesse. Penso que ele teve razão e fez bem em abandonar o terreno de jogo", declarou Zdenek Zeman, treinador do Pescara no final da partida.
Em 2010, a partida entre o Cagliari e o Inter Milão foi também interrompida durante alguns minutos no estádio Sant´Elia, após cânticos racistas dirigidos ao camaronês Samuel Et’o.
O Pescara perdeu a partida deste domingo, por 1-0, vendo-se assim matematicamente relegado à segunda divisão do campeonato italiano.

História da semana:

História da semana:
Boa noite, Madrugada Amiga! Se me permitirem, prefiro apresentar o meu caso em anonimato.
Sou um jovem e estou a viver maritalmente ou em união de facto com uma jovem, há já 6 anos. Ela perdeu a mãe ainda menor, tendo passado a viver com os seus avós maternos. Na altura, foram entregues duas crianças aos avós (sendo a menina e o seu irmão mais velho).
No início da nossa convivência, tudo corria bem entre nós. Algum tempo depois de a gente se ter conhecido, ela ficou grávida. De imediato, eu preocupei-me em chegar perto da sua família, para que os familiares dela me pudessem conhecer, como autor da gravidez. Os familiares maternos da minha parceira não poderiam decidir algo sozinhos. Daí que foram apresentar-me a um homem que era suposto ser o pai dela. Sob as ordens daquele senhor, cobraram-me as devidas multas.
Porém, quando chegou a devida altura, sendo "africanos que somos", o parto foi tão difícil que até optámos por investigar tradicionalmente. Lá descobriu-se que ela não era verdadeira filha daquele senhor que me cobrara o dinheiro. Além disso, fiquei a saber que os avós tinham feito pacto com alguns espíritos a quem entregaram as duas crianças menores (minha parceira e seu irmão) para benefício dos próprios avós.
Tramitei o primeiro caso (pesquisando a identidade dela) até descobrir o verdadeiro pai da minha parceira. Mas, o que me dói é que agora não há sossego por causa daqueles espíritos. Os avós dizem que não saberem nada do caso de terem entregado os netos aos espíritos.
Já tentámos recorrer às igrejas, aos curandeiros, etc., mas nada está a dar certo. Até eu próprio estou a correr perigo por causa disto.
Irmãos, ajudem-me, por favor! O que faço?
Comentários
Emidio Guambe
Emidio Guambe Boa noite meu caro jovem, para Deus nada é impossível, procure uma Igreja evangélica irá vos ajudar. Eu tenho acompanhado caso desse gênero dia após dia na minha igreja e vejo pessoas a serem salva, as outras salvas de morte por causa dos tais espíritos, o que vocês devem fazer é entregar vossa vida a Jesus Cristo.
Adelia Neto Dercia

As imagens do acidente de Nampula











Acidente de viação mata cinco pessoas e fere nove

Choque entre autocarro da transportadora Nagi e do Município de Nampula faz cinco mortos e nove feridos
O sinistro envolvendo dois autocarros, um da transportadora Nagi e outro do município, ocorreu por volta das 06h00 deste domingo, na zona de Mucarre, unidade comunal Marrere, no município de Nampula.
De acordo com declarações colhidas no local, a viatura da companhia Nagi partiu da província de Sofala, tendo já no município de Nampula embatido contra outra que fazia manobra para entrar no parque, naquele ponto da cidade.
Não se sabe quantas pessoas seguiam nas duas viaturas, mas o banco de socorros do hospital central de Nampula, para onde foram evacuadas as vítimas, diz ter recebido um total de catorze pacientes. Destes, cinco resultaram em óbitos e nove contraíram ferimentos, entre graves e ligeiros, tendo quatro sido internados no serviço de neurocirurgia, um encaminhado à reanimação, enquanto outros quatro receberam alta.
“Nos recebemos catorze doentes, dos quais três já eram óbitos. Outros dois foram confirmados óbitos aqui dentro, portanto, cinco óbitos. Dos nove que remanesceram, quatro foram internados no serviço de neurocirurgia - tiveram traumatismo craniano encefálico leve - e um paciente foi encaminhado à sala de reanimação”, explicou Frederico Sebastião, porta-voz da maior unidade sanitária da região norte do país.
Várias foram as pessoas que se dirigiram ao hospital central de Nampula para se inteirar do estado de saúde ou identificação dos seus parentes, que provavelmente estariam num dos veículos sinistrados.
Felizardo Marques, inspector de transportes no conselho municipal, disse que o caso se deu quando se fazia recolha dos trabalhadores da edilidade para uma reunião de preparação do dia internacional do Trabalhador, que se assinala esta segunda-feira. “Isto registou-se quando entrávamos para o nosso parque e não nos apercebemos da aproximação do autocarro da Nagi, que vinha à alta velocidade, por isso, não conseguiu controlar-se”, explicou. Refira-se que este não é o primeiro caso de sinistro com as mesmas características envolvendo esta transportadora.
Refira-se que o autocarro do município faz parte de um lote de quarenta viaturas adquiridas pela edilidade mediante um empréstimo bancário para o transporte semi-colectivo de passageiros.
Dirigentes do município de Nampula e populares dizem-se abalados com o sinistro, que vitimou cinco funcionários daquela edilidade.

Moçambique arrisca ficar fora dos mercados internacionais


A auditoria da consultora Kroll será determinante, mas é "quase certo" que o país não vai conseguir regressar em breve aos mercados internacionais, diz o analista da BMI Research que acompanha o tema.
O governo moçambicano entrou em incumprimento no início de 2017
LUSA
Autor
  • Agência Lusa
O analista da BMI Research que segue a economia de Moçambique considerou hoje à Lusa que dificilmente o país conseguirá regressar rapidamente aos mercados internacionais, principalmente se a consultora Kroll emitir opiniões adversas na auditoria.
Em entrevista à Lusa, David Earnshaw disse que “quase de certeza” que Moçambique não vai conseguir aceder aos mercados financeiros internacionais nos próximos tempos e acrescentou que “os riscos agravam-se se a Kroll emitir uma opinião adversa ou negativa no relatório da auditoria” que vai apresentar em meados de maio.
O analista da BMI Research que segue a economia de Moçambique vincou à Lusa que “além do impacto negativo que o incumprimento financeiro teve na relação do Governo com os credores internacionais, a maneira como o executivo conduziu o processo e abordou as negociações piorou ainda mais a sua reputação com a comunidade internacional de investidores”.
Em particular, David Earnshaw refere que a “recusa do Governo em dar prioridade aos detentores dos títulos de dívida pública” face aos que emprestaram dinheiro à Mozambique Asset Management e à Proindicus está a revelar-se “um verdadeiro entrave ao progresso para algum tipo de acordo ou renegociação dos termos” dos contratos.
O Governo de Moçambique entrou em incumprimento financeiro já este ano, quando falhou a primeira prestação de quase 60 milhões de dólares face à emissão de títulos de dívida pública que resultaram da reconversão das obrigações da Empresa Moçambicana de Atum (Ematum), no valor de 727,5 milhões de dólares.
Posteriormente, falhou também dois pagamentos das prestações dos empréstimos dados à MAM e à Proindicus, assumindo não ter capacidade financeira para fazer face aos encargos e defendendo uma reestruturação das dívidas com os credores.
Questionado sobre o impacto destes incumprimentos no sentimento dos investidores, David Earnshaw disse que “o contágio da crise da dívida ao sentimento dos investidores afetou fortemente todas as áreas que requerem um envolvimento significativo do Governo”, notando que o gás, por exemplo, é uma exceção porque “o Governo tem uma intervenção mínima”.
O analista da BMI Research, uma consultora do grupo que detém também a agência de notação financeira Fitch, considerou também que os sucessivos adiamentos da apresentação da auditoria da Kroll, uma das exigências dos doadores internacionais para voltarem a negociar ajuda financeira a Moçambique, não é um bom sinal.
“O facto de a finalização da auditoria ter sido adiada várias vezes pode sugerir que a Kroll tem enfrentado alguma resistência do Governo em aceder a toda a informação a que quer ter acesso”, concluiu o analista.

JUSTIÇA PUTREFACTA

JUSTIÇA PUTREFACTA
(como diz o Nini)
INBOX:
" No Dia 11 De Junho De 2016 Foram Presos Dois Cidadão Moçambicanos De Nome Martins Yassine E O Abdul Marcos Muthombene Na Matola T3 Por Roubo Com Recurso A Arma De Fogo! Os Arguido Estavam Na Cadeia Da Machava! Passando 8 Meses Fevereiro 2017 Um Dos Familiares Do Abdul Marcos Que Supostamente É Um Gang Na Africa Do Sul, Mas Tem Amigos Na Frelimo,na Familha Ayouba Cuereneia, Negociara Com O Juiz Do Caso Para A Libertaçao Dos Dois Arguidos, Em Troca O Juiz Foi Aliciado Com Um Valor De 178 Mil Maticais, Em Cumprimento Drama O Juiz Soltou O Martins Yassine, E Ficou O Abdul, Por Nao Cumprimento Total Do Acordo O Juiz Foi Ameaçado A Morte Em Caso Que Nao Solta O Abdul! As Informaçoes Que Segue É Que Dentro Da Proxima Semana O Abdul Estara Livre Da Cadeia!
Fim da conversa no bate-papo."
Enviada por dispositivo móvel
há 11 minutos · Enviada através da web
Gosto
Comentários
Ramos A R Lisis
Ramos A R Lisis Mais um motivo para nao procurar meu voto por favor senhores frelimistas
Gosto · 3 · 4 h
Manuel Domingos Junior
Manuel Domingos Junior Ele nyusi pensa k têm boa governação p ser o povo, todos nos já estamos alerte com os frelimistas.
Gosto · 2 · 5 h
Lindo Joao Rapieque Lindo
Lindo Joao Rapieque Lindo Moçambique há justiça pra os poderosos e em muitos casos das prisões do país 80% dos reclusos são necesitados enquanto que os ricos fazem violências, matam de qualquer maneira e dão os valores aos chefes e ficam livre, desse jeito como o país vai melhorar se cada dia que passa o dinheiro fica cada vez mais doces que o açúcar ou mel?
Gosto · 2 · 1 h
Gote Rafa
Gote Rafa É assim como funciona em Moçambique, sem governo, sem lei e muito menos justiça. Meu deus Moçambique um bom país, mas não merece governo que tem.
Gosto · 1 · 5 h
Dramusse Muloguiwa
Dramusse Muloguiwa Ai esta mais uma fuga de informação, ainda estamos no caso CC
Gosto · 2 h
Mohammad Hajat
Mohammad Hajat Coisas da minha terra. Kkk
Gosto · 5 h
Angandimasso Alface Luís
Angandimasso Alface Luís Dhlakama vai melhorar, tudo isto
Gosto · 1 · 2 h
David Jairosse
David Jairosse A Justiça Moçambicana Está Desorganizada Por Caúsa Da Corropução! Onde Vamos Com Essa Praticas?
Gosto · 1 · 5 h
Antonio Ventura Missasse Missasse
Antonio Ventura Missasse Missasse Huummm yanunkha dziko.
Gosto · 2 h
USURPAÇÃO DE TERRAS EM MOÇAMBIQUE
INBOX:
" Boa noite Unay.
Esoero que esteja tudo bem contigo e com toda tua equipa de informação e não so.
Olha Unay, oque esta a acontecer na portucel Mocambique é muito gritante, vou ao passo.
1-A empresa entrou com a politica do tipo nao compra a terra e prometia dar trabalho em troca de terra nas comunidaes dos distritos do Ile e Namarroi na Zambezia , Manica, Barue, Sussundenga, Mussurizi, Gondola em Manica, mas a empresa parece que vendeu as plantacoes da provincia de Manica sem informar os colboradores negros (moçambicanos) e muito menos os prprietarios das areas. Ja imaginou alguem entregar uam area de 50h e em troca deve trabalhar para se beneficiar da mesma area, os proprietarios deixarem cair uma arvor de 40 a 50 cm de daimetro a mao com todas as raizes . numa area colocam 15 pessoas para este trabalho.
2- Ha muito Racismo na Empresa, quem é branco pode fazer e desfazer, muitos brancos quando acidentam nada acontece com eles mas um pacato negro que ganha 15 mil é descontado 4000 ate eles acharem que chega. se reclamar ti poe na lista de pessoas para tirar.
3-Todos brancos vivem nas casa enquanto que os negros vivem nas pensoes e que sai muito caro viver na pensao que alugar uma casa, no nosso entender a um tuga metido no negocio de quartos. Os poucos negros que vivem nas casas sao descontados 6000 por mes,mmas os brancos nao sao tocado nenhum tostao.
4- Agora a empresa depois de burlar as pessoas esta a expulsar pessoas, exemplo aconteceu nesta semana em que o chefe dos recursos humano o sr Carlos Fernando veio tirar 35 pessoas com contrato que trabalhavam no viveiro do LUA.
Fala se de que no proximo mes vem tirar 90% de negros.
Eles quando vinham dizam outra coisa e agora acontece outra coisa , ja burlaram terras dos camponeses e agora inventam muitas Historias".
22/4 · Enviada através da web
Gosto
Comentários
Unay Cambuma
Unay Cambuma INBOX: " Mano,,,a informaçao vingulada a dias atras plo porta mentiras da POlicia da frelimo em relação aos supostos criminossos liberdados em plena via publica,é tdo uma farça poi nada de runex foi.mas sim um toyota lamdcrusel azul escuro. E nao ouve troca de tiro,o carro estava com a cirene desligada .minha esposa esta ate atras quasse a tres carros depois do carro da escolta. Tudo indica que foi uma arrumação da frelimo pra nos despistar no registo do roubo patos como divida do estado"
Quinta-feira às 18:07 · Enviada através do Messenger
Gosto · 2 · 7 h
Unay Cambuma
Unay Cambuma Este pais esta mesmo vendido. Mesmo se a renamo nao voltase a pegar em armas alguém teria feito o mesmo tarde ou cedo
Gosto · 2 · 6 h
Gildo Marrumete
Gildo Marrumete isso nao wé pais. talvez seja uma terra em que nao devia se habitar. isso é uma maldisao ou mesmo um inferno.
Gosto · 1 · 6 h
Gildo Marrumete
Gildo Marrumete o poste é terrivel. resta me saber se sao portugueses. se for nao tenho dúvidas. essa comunidade tuga sao altamente exploradores com cheios de ódios. odeao desde da frelimo ate ao povo governado pelo regime. confundem tudo como sermos farinha do mesmo saco.
Gosto · 1 · 6 h
Jose Ofece Deniasse Ofece
Jose Ofece Deniasse Ofece Isso ja aconteceu e esta acontecer no distrito do búzi na localidade d grudja cm uma empresa d plantaçao d jatrofa
Gosto · 5 h
José ENatalia
José ENatalia Com este pensar não vão a lado nenhum.... Caça ao branco? Enfim como moçambicano nem vou comentar.... O vosso problema não é branco é a frelimo 42 anos no poder a destruir Moçambique, e vocês a verem.
Gosto · 1 · 5 h
Joao Rodrigues
Joao Rodrigues As cedências de terras para exploração mineira na região de Quelimane, a uma empresa chinesa, Está protegida a mão de obra e quadros moçambicanos?
Gosto · 7 h
Gote Rafa
Gote Rafa Porque não usam truque de caça ao brancos. Moçambique já não há governo, o que temos é grupo de ladrões negocian

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.